Pesquisar este blog

26 de nov de 2013

Tá doendo.

Sábado chuvoso. As duas amigas chegaram juntas no restaurante. Iam almoçar e bater papo.  Escolheram a mesa de canto. A  mais discreta. Julieta queria paz.  Sentia-se desanimada. O coração estava apertado. Chamaram o garçom e pediram uma bebida. Assim que ele anotou o pedido e saiu, Regina olhou para a amiga e perguntou:
- Fala, amiga, o que aconteceu  ? Fiquei preocupada com a sua ligação.
 - Tá doendo.
- O quê ? Não entendi !? Você se machucou ?
- Muito,. E não tem remédio que dê jeito.
- Pelo menos almoça. Pediremos algo bem gostoso.
- Não sinto fome.
- Então é melhor suspendermos a bebida e procurarmos um médico.
-  Quero beber. Talvez seja a única maneira de passar a dor.
- Com bebida ? Nossa !! Parece conversa de bêbado. Dá para me explicar o que houve ?
-  O César terminou o noivado.
- Terminou ?  Ele bateu em você ?
- Não, né ??!!
-  Seja mais direta.
- Amiga, meu coração tá doendo.
- O que eu posso fazer por você ?
- Nada. Ninguém pode fazer nada. É esperar passar.
- Não tem chance de voltar ?
- Tentei a semana toda...a outra.. mais a outra...
- Então o jeito é esquecer.
- Não é tão fácil.
- Amiga, não tem outro jeito.
- Acredita que ele já tem outra ?
- Acredito.
- Estou mal. É ciúme. Raiva. Orgulho ferido. Tudo junto.
- Toda mulher passa por isso.
-Eu  não quero mais passar por isso. Tem horas que eu penso que o ar vai me faltar.
- Não é melhor procurar um psicólogo ?
-Se você me garantir que eu vou procurar um psicólogo e a dor vai passar.
- Não existe garantia.
-  Essa é uma dor que não passa com remédio. Nem como palavras. Só com a presença da pessoa.
- Sei...ou melhor, não sei. Nunca senti. Só quando o Fernando terminou comigo. Depois, nunca mais gostei de ninguém.
- Melhor coisa. Gostar e depois ter que desgostar é sofrimento.
- É uma emoção boa.
- Você é masoquista. Não tem nada de bom no sofrimento.
- Veja pelo lado positivo. Da próxima vez você não se entrega tanto.
- Não terá próxima vez. Não quero mais gostar de ninguém.
- É uma ótima opção.
- Só quero sexo casual agora.
- É...só que ninguém manda no coração.
- Vou mandar no meu.
- Não é tão simples assim.
- Como não ? O coração é meu. Agora  é só sexo.
- Tá bom . Não vamos discutir.
- Garçom, por favor, que horas você sai hoje ?
- Seis da tarde.
- Então eu te espero.
O garçom balançou a cabeça, entregou o pedido e saiu. Regina olhou para a amiga com olhar de espanto :
- Ei, o que você está pensando em fazer ?
-Isso mesmo que você imaginou. Agora é só sexo. Ele não é um gato ?
- Mas você não sabe se ele quer sair com você.
- Querida, eu vou pagar o motel, vou fazer sexo e nada mais. Qual o homem que não aceitaria ?
- Só quero ver. Depois me conta.
Ficaram bebendo até ás seis da tarde. Julieta e Regina saíram primeiro. Despediram-se. Julieta esperou o garçom e logo o convidou para esticar a noite no motel. Ele aceitou entre desconfiado e constrangido. 

Já no quarto do motel, ao ver o garçom nu, ela sentou-se na cama e começou a chorar pensando no noivo. A imagem do ex ia e voltava na cabeça dela, como se fosse uma cena de novela.
Espantado , o rapaz perguntou o motivo do choro. Entre soluços , ela respondeu   :
- Tá doendo.
- Aonde dói ? Posso ajudar ?
- No coração. Ninguém pode me ajudar.
- Então vamos embora ?!
- Não. Fica comigo. Dorme comigo. Eu só quero companhia.
- Tá bom.

O garçom ligou a televisão e ficou assistindo em silêncio. Vinte minutos depois, Julieta adormeceu.



19 de nov de 2013

A festa do meu melhor amigo


Como sempre fazia, saí do apartamento me ajeitando. Coloquei  o tênis no elevador. Cheguei à  garagem  e procurei na mochila a chave do carro. Joguei  minha mochila de estimação  no banco de trás e enfiei a chave na ignição. Girei e dei a partida. Estava indo pra casa do meu melhor amigo. Aniversário de 35 anos. Jonas era bem casado há cinco anos. Ao contrário de mim. Aos 33, continuo solteiro e feliz. Tive poucos namoros sérios, uns três,  e vários  casos.  As mulheres me fascinam,  me adoram , mas me chamam de problemático.  Devo ser. Não consigo manter relacionamentos a  longo prazo. Não sei se o problema é meu, ou delas. Talvez seja o ciúme. Mulheres são muito ciumentas. Detesto ciúme e quando sou cobrado, tenho crises de ansiedade. Não demoro muito a trocar uma pela outra. Talvez seja por isso, que eu  estou cada  vez mais entediado, amorosamente.

Cheguei  a casa de Jonas meia hora depois de vários sinais fechados e interessantes  digressões. Não gosto de festas. Muito sorriso falso e pouco calor humano. Mulheres  com roupas mínimas, cabelos esvoaçantes e coloridos e bocas vermelhas e desfrutáveis. E claro, o melhor,  amigos e bebidas. É o que me conforta. Não, não sou machista e nem é minha intenção denegrir a imagem do sexo feminino. Sou mesmo é entediado.

Fui recebido por Jonas e percebi assim que pisei na sala,  o olhar devastador de uma morena alta, de cabelos lisos e longos.  Apesar do meu ar blasé, faço sucesso com as mulheres.  Sou bonito . Pense num homem bonito. Sou exatamente como você me imaginou. Além de bonito, tenho um olhar distante e misterioso. Enlouqueço as mulheres com meu charme. Distribuo carinho , atenção e um bom sexo.  Mas minha empolgação tem  prazo de  validade . Um iogurte no supermercado ,em época de promoção, talvez seja mais vantajoso. Ou a tinta de uma caneta vagabunda.

Como disse antes, enjoo rápido das mulheres, aliás, de quase tudo. Vivo trocando de emprego, apartamentos, carros e não tenho paciência para digressões alheias. Ás vezes, nem as minhas  . Jonas aconselha-me dizendo que sou muito jovem para  tanto ranzinismo. Mas não dá para me transformar em alguém que não sou. Nem  faço questão de ser de outro jeito.

Voltemos ao aniversário do meu amigo.

Eu e Jonas trocamos informações e depois de cumprimentar alguns amigos, peguei  uma bebida e fui para a varanda conversar com um colega  da época da faculdade. Cinco minutos depois apareceu a morena de cabelos longos . A do olhar devastador. Ela vestia  um  short jeans,  sandálias  de salto alto  e uma blusa frente única. Fez questão de colocar os  cabelos na frente e deixar as costas nuas,  para mostrar a tatuagem da deusa têmis, imagem mitológica , representante da justiça.


Enquanto meu colega discursava, indignado, com a  atual situação do país , eu me distraía com o jogo de cintura da morena : “ por que fez questão de me mostrar a tatuagem ?” Talvez quisesse se exibir. Mostrar  que era advogada. Inteligente. Engajada em alguma causa. Direitos Humanos. Quem sabe ? Agora é moda.

Talvez quisesse me dizer que não era vazia. Sabia conversar. Mulheres que sabem conversar são problemáticas. No início até gosto de ouvi-las. mas um mês depois ficam chatas e repetitivas . Não param de falar. Desisti. Jamais sairia com uma mulher tatuada com o símbolo da justiça. Sim, já me chamaram de machista . Não ligo. Devo ser mesmo. Será  pecado ? Se for, então sou um grande pecador. E se existe mesmo o tal de céu e inferno, meu lugar no inferno  estará reservado. Com certeza ao  lado de mulheres bonitas.

Enquanto eu pensava,  meu colega falava. Eu não prestava atenção. Só balançava a cabeça. Estava numa briga invisível com a morena. Ela se aproximava , com as costas nuas e eu recuava. Não estava interessado na tatuagem dela e se antes a achava  bonita, depois de tanto se oferecer, perdi o interesse.  Dei uma de antipático. Chamei meu amigo para pegarmos uma bebida e me afastei. Mulheres oferecidas e atrevidas me causam tédio. Gosto da paquera sutil. Da troca de olhares. De sedução elegante. Sedução barata não me agrada. Ainda tentei mais duas paqueras. Uma ruiva com a pele cheia de sardas. Fumava e bebia muito. Detesto fumaça de cigarro.A  outra era magrinha, cabelinhos pretos e curtos. Muito sorridente. Trocamos alguns olhares. Mas  o relógio deu o sinal . Três da madrugada. Hora de voltar para o conforto do meu apartamento. Ligar meu ar. Esticar minhas pernas.


Saí sem me despedir. Jonas estava acostumado. Não iria reparar na minha ausência. Talvez a tatuada reparasse. Sentiu-se rejeitada. Não parava de me olhar. Passou por mim duas vezes e da segunda vez, esbarrou em meu braço, derrubando meu copo. Foi quando olhei o relógio e decidi  ir embora. Ao mesmo tempo que admiro as mulheres, me entedio fácil . Minhas amigas feministas vivem me criticando. Levei  todas elas  pra cama. Nunca me apaixonei . Até me esforcei. Fiz poemas . Rimava palavras, olhando a chuva batendo no vidro da janela. Nunca saiu nada de bom. Não tenho talento para a poesia. Talvez o tédio me paralise. Não sei. Não procuro saber.

Abri a porta do apartamento e me senti aliviado por estar seguro sem precisar ser agradável. Sim, sou fóbico. Tenho fobia a chatice. Lugares com muita gente e falatório além do suportável. Sinto-me mais confortável quando estou  sozinho. Em paz.

E assim fiquei.

Banho tomado, deitado na cama, luz do abajur acesa, pernas esticadas, peguei um livro na mesa de cabeceira, entre vários que aguardavam na fila. Escolhi um  de Freud, A interpretação dos sonhos. Estava curioso. Nos dois últimos meses  sonhava muito com castelos e bosques. Era um sonho repetitivo e chato. Acordava sufocado. Como se tivesse uma  espada na minha garganta. Talvez a leitura me desse respostas. Poderia ser um desejo reprimido . Quem sabe ? Ou uma raiva contida. Vontade de voltar à Idade Média . Teria eu vivido outras vidas ? Ou sonho não passa de sonho e não  tem explicação ?

Freud poderia me dar algum  diagnóstico ?

Dormi na terceira página. Sonhei com um castelo no alto de uma montanha. Acordei com a garganta seca.